quarta-feira, 9 de julho de 2008

Tempestade

Este era o título do último artigo do Prof. Daniel Bessa, no EXPRESSO. Da conclusão que retira do que fazer perante uma crise que se transforma em verdadeira tempestade, há a reter uma chave determinante:
"(..) É nestes momentos que se torna evidente que a economia é feita de confiança; e enquanto a confiança não recuperar, a economia não recuperará. Não é motivo para ninguém se suicidar. É motivo para continuarmos a fazer o que tem que ser feito, se possível melhor. Nas empresas, melhorando as operações. No Estado, melhorando as políticas. Sem nenhuma garantia: porque é o que temos de fazer, porque as alternativas serão sempre piores. É a condição humana, no que tem de mais frágil, e de mais puro"

Partilhamos totalmente esta visão de Daniel Bessa. Perante a tempestade,há que fazer melhor. Tendo a certeza que "melhor é possível" e que poderemos vencer mais esta intempérie.

4 comentários:

Café Central disse...

Cada vez gosto mais deste blogue!

alberto disse...

As crises são uma ameaça ou uma oportunidade? À primeira vista apresentam-se como ameaça, na medida em que põem em causa a ordem e a estrutura estabelecidas. Mas não deverão antes ser encaradas como uma oportunidade? Uma oportunidade para demonstrar a capacidade de reacção à adversidade? Uma oportunidade para revelar dinamismo e espírito de iniciativa? Uma oportunidade para inovar e melhorar as estruturas existentes? É nos momentos de crise, de tempestade, que se vê a grandeza dos homens, dos povos, das nações. Esta crise tem de ser a oportunidade para os portugueses se livrarem definitivamente da velha ordem partidária que os está a conduzir para o abismo. Mudar é preciso! De partidos, de protagonistas, de políticas.

Rui NS disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Rui NS disse...

Café central,
É um excelente elogio que nos faz. A internet será sempre um canal privilegiado pelo MEP para se dar a conhecer.

Alberto,
É uma verdadeira visão "Melhor é possível"!
O MEP assume-se como esse partido que trará novos protagonistas dispostos a servir o bem comum e a contribuir com políticas que procurem esse caminho.