segunda-feira, 22 de dezembro de 2008

Esquerda e Direita

Como se situa o MEP no espectro partidário? Num artigo recente, São José Almeida refere-se a este partido como sendo de centro-direita. Mas será isso verdade, precisamente à luz dos critérios que a jornalista aponta?

Segundo São José Almeida, o PS de José Sócrates afastou-se de

políticas reformistas, tendo como centro da sua acção o bem-estar das pessoas e a justa redistribuição do rendimento

para ocupar o espaço do PSD com

políticas com uma orientação de pendor liberal, que privilegiam as lógicas e os interesses do mercado e do seu lucro em detrimento do benefício das pessoas



Ora no programa do MEP podemos ler:

O Movimento Esperança Portugal é, ideologicamente, um projecto de matriz humanista, na sua expressão personalista. Tem na pessoa humana, o princípio, o centro e o fim de tudo. É em função desse superior valor que o Estado, a Sociedade e a Economia se devem orientar, porque o ser humano deve ser a medida de todas as coisas.


e ainda

Em consequência da valorização absoluta da dignidade humana, afirma-se a defesa do interesse de todos os seres humanos e de cada Ser humano na sua plenitude, como objectivos centrais. Não importa, pois, só a simples concretização do interesse particular, ainda que legítimo. Este deve concorrer, na medida do possível, para o bem de toda a comunidade, sem deixar ninguém para trás, nem considerar alguém com estatuto menor.



Assim, não só o MEP poderá estar à esquerda da versão actual do PS, como deverá ter como objectivo captar votos em todo o espectro político, tanto entre aqueles que na esquerda mais tradicional procuram um mundo mais humano e justo, como entre aqueles que, à esquerda ou à direìta, recusam a submissão da pessoa humana a modelos abstractos de sociedade, sejam eles marxistas ou neoliberais.

7 comentários:

on disse...

Contradizer as opiniões de alguém citando intenções? Preferia que se apresentassem acções.
Pois, ainda não existem...

Bem, temos as posições sobre o aborto. Essas são de centro direita.
Pelo menos...

Quando a posição do partido no espectro poítico se tornar clara vão ser alguns dos seus membros que vão ficar mais surpresos por descobrirem onde se foram meter!

on disse...

Os silêncios sobre as afirmações do papa dizem bastante mais do que qualquer manifestação de intenções...

Pois, é um tema fracturante:)

Estou a falar da sua mais recente condenação da homossexulaidade, claro.

Rui NS disse...

Caro "on", benvindo aqui ao blogue "Melhor é Possível" e, fazendo jus à quadra, um bom Natal e um ano de 2009 cheio de Esperança.

Não concordo consigo quando diz que ainda não existem acções. É verdade qure o MEP não terá, ainda, a relevância política necessária para dar corpo às suas ideias mas, para além de ter colocado a Esperança, a confiança e a justiça social na agenda política nacional foi, durante o ano de 2008, tomando posição sobre muito do que se foi passando no país e no mundo tendo sempre como princípio a apresentação de propostas e medidas para as questões que foi comentando.
Convido-o a rever esse historial em: http://www.mep.pt/index.php?option=com_content&task=view&id=412&Itemid=9.
Pode ser que não se deixe surpreender mas certamente concordará que, olhando para essa lista de comunicados, dificilmente algum membro do MEP andará enganado...

Quanto aos temas que lançou e como pode constatar pelo link que lhe sugeri, não me parece que o MEP tenha alguma vez tomado qualquer posição sobre o aborto e muito menos que alguma situação tenha tido necessidade (ou cabimento?) de comentar as palavras do Papa.

Continue a visitar-nos, também através do nosso site, para ir ficando a par do que o MEP vai fazendo e dizendo. 2009 será um ano de muito trabalho!

on disse...

Caro Rui, fico à espera da resposta do meu amigo Carlos Albuquerque.
Entretanto:
A escolha da Laurinda Alves é uma garantia, caso ela fosse eleita, de uma posição clara sobre o aborto no Parlamento Europeu.
Já agora: o partido não tem posição sobre esta questão?
Querem um cheque em branco?

Não tive resposta sobre a recente tomada de posição do papa acerca da homossexualidade.

Qual é a sua resposta a isso, Rui?

Não leu os jornais?
Não é importante?

Olhe, em relação às respostas que me deu, acho que melhor é possível...

Carlos Albuquerque disse...

On

Em relação à posição do MEP sobre a homossexualidade, não há muita coisa mas existem alguns sinais de diversidade de opiniões.

Em primeiro lugar vale a pena ver a definição de família implícita no programa do MEP (página 35): "comunidade de pessoas ligadas por afectos, compromissos e por um elo de zelo mútuo, aberta à vida, à educação dos filhos e à solidariedade entre gerações".

Apesar do que pode parecer, esta definição pode abranger perfeitamente um casal homossexual como família, tal como um casal heterossexual com um problema de infertilidade.

No plano das posições concretas, em Outubro o MEP (Pedro Adão e Silva e Pedro Marques Lopes entrevistam Rui Marques. RCP, 4 de Outubro de 2008, a partir dos 16:00 minutos) não considerou o casamento de pessoas do mesmo sexo um tema essencial em Portugal. Na mesma entrevista Rui Marques afirma que pessoalmente é contra. O Rui Cerdeira Branco (segundo na lista do MEP às europeias) escreveu na altura no Adufe que era a favor. A diversidade de posições foi destacada pelo Rui Nunes da Silva (Secretário-Geral do MEP) neste blog.

Pessoalmente sou a favor do casamento entre pessoas do mesmo sexo porque se trata de algo que me parece importante para um conjunto significativo de pessoas frequentemente discriminadas e porque as objecções apresentadas não me convencem minimamente.

on disse...

Carlos,

mesmo com as festas, cinco dias é uma eternidade num blog...
Mais a mais num blog de um partido. É muito facil dizer "Melhor é possível" quando se cria um partido. Depois de criado é preciso ter muito cuidado, porque o slogan se pode virar rapidamente contra quem o criou. O que já começou a acontecer...

Há diversidade de opiniões mas ficou logo claro qual será a posição oficial sobre todas as questões que ponham em causa a posição oficial da igreja.
Quais são as posições oficiais do partido sobre a contracepção, a inseminação artificial, etc?

Quanto a questões economicas não me parece que se preocupem muito com o assunto. Defendem a caridade, claro. Com a diferença que a praticam. Realmente não são hipocritas. Mas na pratica não vejo o que é que os distingue de um partido democrata cristão com um toques cosmeticos...

Um partido longe do poder pouco pode fazer em relação às questões economicas mas tem algumas hipoteses de intervenção sobre as convenções da sociedade. O Bloco compreendeu isso muito bem. A esse nível tudo indica que o MEP se vai comportar de forma essencialmente conservadora. Inclusivamente em questões que te dizem muito. Não estás a perder o teu tempo?

Carlos Albuquerque disse...

"Não estás a perder o teu tempo?"

On

Penso que não. Sobretudo porque acredito na força das ideias. E é pelas ideias que os partidos longe do poder podem actuar, influenciando a opinião pública e assim afectando as decisões dos partidos do poder.

Esta influência estende-se também às áreas da economia. O que tem acontecido em geral em Portugal é que se aceitaram muito facilmente certas correntes da economia que supunham o "fim da história". Ora a crise actual volta a pôr tudo em causa e volta a haver espaço para o debate.

Neste momento parece-me cedo demais para excluir o MEP do poder a partir das próximas eleições.