segunda-feira, 28 de setembro de 2009

Discurso de Rui Marques na noite eleitoral



11 comentários:

Joana Nicolau disse...

Acredito que o MEP tem tudo para se manter firme como uma alternativa credível aos partidos com assento parlamentar.

Após as autárquicas, é tempo de reflectir e redesenhar estratégias, pois uma proposta consistente por si só não chega, é preciso também delinear o caminho para levar a propostas às pessoas com mais eficácia.

Vejamos estes resultados como uma oportunidade!

Lucas (J) disse...

Confesso que acompanhando a vossa, perdão a nossa, campanha um bocado de longe, apenas hoje perdi, perdão ganhei, o tempo necessário para ouvir o discurso do Rui Marques, e podem crer que foi um tempo bem gasto e de aprendizagem!
No prós-e-contras só resisti até ao intervalo, pois numa hora só consegui ouvir o Rui Marques para aí 5 minutos (embora até tenha ouvido outras coisas interessantes).
Não vi as televisões ontem à noite, mas duvido que tenham passado alguma palavra do Rui Marques, que se percebe não estava a falar para a televisão!
Talvez 25.000 não seja um número muito interessante para elas, mas para mim bastou-me o número UM, o exemplo e entusiasmo de uma prima candidata pelo MEP, a última pessoa que eu pensaria ver envolver-se num movimento político.
A Esperança não se explica, vive-se...
Jorge Henriques

Anónimo disse...

Se for possivel vão dando algum feedback sobre o nivel de solidariedade para com a divida mep. Uma especie de barometro que mostre a evolução é uma grande ajuda no estimulo da "motivação"

Joao Ricardo Lopes disse...

Meu caro Rui.
Em primeiro lugar gostaria de deixar expresso que, embora os resultados do MEP não tenham sido os desejáveis, em nada devem obstar a que continuemos o caminho para levar ao País o nosso projecto de construir um Portugal melhor e cheio de oprtunidades para todos.
Quando digo nosso, faço-o pelo facto de sentir este projecto também como meu. Embora ainda não tenha aderido ao Partido, o que farei em breve, tenho dentro do possível feito alguma divulgação. Posso garantir que não é nada fácil mudar mentalidades
encrostradas. Ficaria feliz, se pudesse saber que as minhas palavras entre amigos conhecidos, deram pelo menos mais um voto para além do meu.
Estive a analisar os resultados de ontem (distrito a distrito), fazendo a comparação com os resultados para o PE (são os que temos), onde se constata que o MEP perdeu quase sempre metade dos votos em cada distrito, a excepção de Setúbal onde foi quase ela por ela. Calculo que também já o fizeram e, sinceramente, não me preocupa agora a certeza dos números, mas sim o que fazer deles.
Fala-se muito do alheamento dos Portugueses da política. É um facto. Mas é-o também afalta de habilidade dos políticos (os do custume), em trazer os cidadãos para a liça e fazê-los sentir que sempre que haja descontentamento não podem, como disse a Joana, ficar só pelo lamento, mas sim que é necessário agir. Em minha opinião, o MEP obteve um grande rsultado, uma vez que se tratou da sua 1ª aparição neste acto eleitoral, onde o tempo para passar a menssagem foi curto e cheio de obstáculos.
São eleições diferentes, Para o PE, os portugueses limitaram-se a dar um voto ao MEP porque, sendo um acto eleitoral que não influia directamente no seu cotidiano e onde a imagem de serenidade e seriedade que a Laurinda Alves conseguiu transmitir,entrou porta a dentro e tocou no íntimo de cada votante do MEP. Foi o primeiro acto de três e, mesmo com a visibilidade possível, a campanha desenrolou-se numa época em que ainda não se pensava em férias e a revolta pairava no ar. Era uma imagem nova. Havia que dar oportunidade a outros.
O resultado criou euforia... embarcàmos todos nela.Ficou tudo muito fácil e não havia como não acreditar. Porém, a experiência que tenho de outras andanças, deixou-me sempre com um "pé atráz". Onde estavam as estruturas de rectaguarda? Concelhias, distritais,locais? Quem eram os candidatos? Quem os conhecia? Eu próprio, depois de várias tentativas, consegui o contacto da cabeça de lista por Viseu. Azar! nessa altura estavam todos de férias... De pleno direito, mas há alturas em que se devem fazer alguns sacrifícios não acha?
Foi aqui, em meu entender, o princípio do resvalar. Poderá ter ocorrido o mesmo por todo o país?
Perdeu-se tempo e dias onde cada um podia e devia falar ao mais próximo. Para um partido novo, esta eleição devia ter um carácter quase autarquico. Tipo eleição para as Juntas de Freguesias, onde o voto é arrancado porta à porta!
Note que não estou a fazer nenhum julgamento, até porque não conheço ninguém. Nem aqui nem noutro lado. Tenho limitado a minha intervenção, por razões profissionais e falta de algum tempo livre,aos textos que publico no Blogue, dos quais não tenho sequer retorno bom ou mal.
Há que arregaçar as mangas! O futuro começa agora. Vamos organizar-nos a sério. O primeiro passo, é que cada um dos candidatos pense no que fez ou não fez. Que reflitam com seriedade e honestidade sobre o que é ou deve ser fazer parte de uma lista. Saber se o seu envolvimento foi suficiente para passar a menssagem.
Em segundo, juntar todas essas reflexões e extrair delas a vontade ou não de cada um em continuar a lutar por um ideal.
Há também a parte financeira. Urge angariar "aquilo com que se compram melões"!
Deixo para finalizar, a máxima que ma acompanha ao longo da vida: "O Segredo de quem Triunfa é Começar Tudo de Novo!"
Um Abraço,
João Ricardo Lopes
Abraveses/Viseu

Garcia disse...

Bom dia, começando com a tua frase que me diz muito também a mim João: "O Segredo de quem Triunfa é Começar Tudo de Novo!"

Depois destas eleições e analisando todos os dados, quero expressar hoje deste perante vós, amigos e conhecidos, que espero que o Movimento Esperança Portugal (MEP) não baixe os braços e não perca a «Esperança» que tanto caracteriza este simples e humilde «partido».
Todos estamos cientes de que «Melhor é Possível» e vamos caminhar sempre nesse sentido.
É preciso ter fé e continuar a acreditar, temos consciência que é mais fácil duvidar que acreditar e que é difícil confiar e acreditar numa força pequena, mas esta força pequena tem uma grande e sentida esperança e confiança no seu projecto, pessoas simples, pessoas novas e 1 nova geração.
Como dizia Martin Luther King e pegando na frase que está no site do MEP: «Tudo o que é construído no mundo é construído pela esperança».
Fazendo agora alusão às palavras proferidas pelo Presidente do MEP, Rui Marques, na sede depois de sabermos os resultados, agradeço em nome pessoal também a todos os 25.000 que votaram MEP e que nos confiaram o seu «útil» voto, continuem com a chama da esperança bem acesa nos vossos corações. Também sinto este projecto como meu, porque de facto me revejo nele, é composto também por idéias, soluções e princípos que defendo.
Admitimos a derrota, «sim perdemos», não conseguimos alcançar os objectivos e espectativas criadas mas, a derrota faz-nos crescer na humildade tal como o Rui referiu muito bem.
Agora é um bom momento para falarmos de Esperança claro que é, é um teste à esperança que nos caracteriza! Pudemos dizer que não falhámos, tentámos!
E mostrando como há esperança repito aqui que enviei a minha ficha de inscrição no Domingo mesmo antes dos resultados e não me arrependo.

Continuarei a ser MEP e a acreditar e a dar força aos seus membros.
Conheci pessoas com 1 grande e árdua esperança, ser MEP é isto mesmo e muito mais...
Rui Marques pode contar comigo!

André Lopes
Benedita

Marta M disse...

A toda a equipa do MEP digo:
Ainda não nos fazem desistir!
Continuo a creditar no projecto e só tenho pena que o Parlamento perca uma voz única e experiente como a de Rui Marques.
Cá estaremos para as legislativas
Marta Martins
http://domeulugar.blogs.sapo.pt/

Bruno disse...

Depois da votação obtida nas europeias, sempre pensei que seria muito difícil eleger um deputado mas pensei que se iria obter, em Lisboa uma votação próxima de 1.5%, insuficiente mas próxima da eleição. Os 0.8% são de facto desanimadores. No entanto há que erguer a cabeça e ir voltar à luta. Agora há quatro anos para divulgar as ideias do partido nos locais onde ainda não é conhecido e tentar consolidar os votos perdidos nas freguesias mais votadas. O meu conselho vai para que se aposte vivamente na divulgação do partido nos concelhos menos votados dos distritos de Lisboa e Porto. Em relação à consolidação dos votos obtidos nas europeias penso que valerá a pena, em futuras eleições apostar forte na campanha em freguesias com bons resultados como a Lapa e o Lumiar em Lisboa ou a Portela em Loures. Se se conseguir recuperar a votação das europeias nestes locais mais os novos votos que advirão da divulgação do partido em novos locais, penso que será possível eleger o deputado. Só depois de alcançado esse objectivo se pode partir à conquista do resto do país. Os recursos são escassos, é necessário manter o esforço focado.

Anónimo disse...

Concordo com a análise do Bruno.
Acrescentaria apenas um ponto.
É extremamente difícil um partido novo fazer passar a sua mensagem junto do eleitorado.
Em termos de comunicação, o problema não é do emissor, nem do receptor, nem do conteúdo da mensagem.
O problema é, muito simplesmente, do ruído na comunicação.
Ou seja, havendo muitos pequenos partidos a tentar transmitir a sua mensagem, o canal fica saturado e o eleitor não abarca tanta informação.
Proposta simples: tem que haver uma figura mediática a ajudar a transmitir a mensagem.
Foi esse o motivo que explica o resultado para o PE.
Carlos

on disse...

é mais facil obter votos para o parlamento europeu...

Helder Reis disse...

O meu voto de confiança no MEP.

Passo a transcrever neste blog, o email que ontem dirigi ao Dr.Rui Marques, com o objectivo de também motivar todos os apoiantes do MEP. Achei curioso o que lia agora neste blog, de que mais 2 pessoas também pretendem ser filiadas no MEP, mesmo nesta hora difícil. Assim se vê a força que o MEP irá seguramente ter, ao ser dos partidos com mais prescritores. Posso garantir-vos que nunca tinha votado com tanta convicção como nestas últimas eleições.

"Caríssimo Dr.Rui Marques

Quero neste momento tão difícil para todos os apoiantes do MEP, mas especialmente para os seus responsáveis,e muito particularmente para si, vir prestar-lhe a minha profunda homenagem pela audácia da construção deste projecto político (no qual eu me tenho revisto), dar-lhe uma vez mais o meu voto de confiança, e reforçar a mensagem que partilhei consigo no domingo à noite em que, “voltarei a fazer de novo, tudo o que fiz de pelo MEP”.

Quero ainda agradeçer-lhe por ter implementado este projecto político que me tem entusiasmado imenso, rejuvenescendo mentalmente, pela esperança de que afinal é possível fazer “muitíssimo” melhor na política em Portugal, e que por isso alimenta a minha esperança de viver num Portugal cada vez melhor.

Apesar da derrota nestas eleições, continuo a acreditar que se os 40% de abstenção conhecessem o projecto do MEP e principalmente a sua (Dr. Rui Marques) postura, teríamos conquistado metade dela. Mas como a política é diariamente crucificada pela ganância da maioria dos actuais actores, os eleitores já nao acreditam nela e eu compprendo-os. É por isso na minha modesta opinião, apenas necessário conseguir fazer chegar a mensagem do MEP até eles. Utilizando a gíria de alguns comerciais, “o produto é tão bom que se vende sozinho”.

Como não quero que esta janela de esperança (MEP) se feche, e como incentivo para que continuem com este inacreditável projecto, venho ainda:

1) Expressar a minha vontade de ser militante do MEP. Só ainda não o formalizei porque não consegui arranjar tempo para ler os dois documentos que o site explicita, e por uma questão de ética não enviei o pedido.

2) Anexar os 4 SMS’s que enviei para os meus 130 contactos, durante esta campanha das legislativas:

• “Se ainda não sabes em quem votar, acredita que o voto no MEP (Movimento Esperança Portugal), serve para ajudar a construir um Portugal melhor. Abr. Helder Reis.”

• “O Dr. Rui Marques é o presidente do MEP, e possuiu um currículum que alimenta a minha esperança de viver num Portugal cada vez melhor: director de programas da Rádio Renascença; fundador da Revista Forum Estudante; responsável pelo Lusitânia Expresso até Timor; fundador da Revista Cais; participou no Banco Alimentar Contra a Fome; Alto Comissário para a Imigração. No dia 27/SET vamos elegê-lo deputado. Vota MEP. Eu confio. Helder Reis.”

• “Passo a transcrever o último ponto do Código de Ética do MEP "Os membros do MEP que tenham exercido cargos políticos não aceitarão emprego ou qualquer outro benefício, por período subsequente de 12anos, a contar do seu termo do exercício dessas funções oficiais, por parte de empresas que tenham tutelado.”

• “Quero agradeçer a todos os que confiaram e votaram MEP, e lembrar aos restantes que todos juntos ainda temos mais uma oportunidade de ajudar a constrir PORTUGAL, elegendo o MEP nas próximas eleiçoes autárquicas. Helder Reis”


Com o desejo de podermos deixar um país melhor para os nossos filhos, despeço-me
Com os melhores cumprimentos
Helder Reis"

Anónimo disse...

Excelente!
Obrigado pelo barometro! :D