domingo, 13 de setembro de 2009

A aposta certa no turismo

O turismo como sector estratégico constitui uma aposta partilhada pelo MEP no seu programa eleitoral. Bruno A ., em mensagem enviada ao MEP, reforça a importância dessa opção. O MEP subscreve a sua mensagem:

“A Organização Mundial do Turismo diz: "é a maior actividade económica mundial, com um volume de negócios de 5 triliões de dólares, ultrapassou o valor de qualquer dos produtos de exportação mundial e igualou as exportações de combustíveis, mais ferro e aço, emprega 215 milhões de pessoas e até 2014 será responsável pela criação de 12 mil/empregos dia".
Posto isto, obviamente o Turismo terá que ser Estratégico para Portugal, mas para isso, é necessário:
1. Investir fortemente na publicidade do sector, e não como acontece actualmente - O valor gasto é idêntico á província da Galiza; 2. Criar Marca a regiões ou localidades como se de produtos se tratasse - Será muito mais fácil divulgar um produto, uma ideia, etc. Já existem exemplos: Chocolate - Associamos a Óbidos; Trata-se de efectuar este tipo de associações e vender a ideia ás Marcas Internacionais que por sua vez vão atrair turistas.
3. Investir na formação Académica específica para este sector (Hotelaria, Comunicação, Marketing, Línguas, etc.) Até a formação de uma Escola de Turismo com todas as suas vertentes.
4. Investir na formação Profissional junto dos Centros de Emprego; Um serviço de qualidade prestado pelos agentes e produtos de qualidade são dois factores importantes de repetição da visita pelos Turistas; 5. O comércio local tornar-se um espaço de divulgação dos vários tipos de turismo.
- Informação actualizada das várias actividades, roteiros, etc.

Em suma, tendo em conta as características do nosso território, que felizmente não há possibilidade de alterar (Praias, Montanhas, Paisagens, Vinhos, Azeite etc.), temos que reformular toda a estratégia de comunicação e criar condições para Portugal ser o País Europeu de Excelência no Turismo.
É só mudar aquilo que podemos mudar...mais nada!!!”

1 comentário:

Joao Ricardo Lopes disse...

Se todas as propostas dos nossos políticos fossem postas com a clareza e simplicidade desta, talvez que a situação do sector fosse bem melhor, pese embora, a falta de poder económico que assola toas as economias europeias e não só.
Lembremo-nos que Espanhóis e Ingleses, foram sempre os nossos melhores clientes, sendo que os primeiros ainda por vão passando, mas quandto aos últimos a baixa de poder monetário deixa-os "presos" á sua ilha ou fazendo-os optar por outros destinos.
Valeram nos últimos tempos,as investiddas portuguesas, em especial no Algarve.
Mas Portugal é muito mais que isso. É enorme a oferta paisagística onde pontificam belezas naturais que em nada ficam a dever a muitas outras por esse mundo fora. Com as caracteríticas próprias de cada região, houvesse mais apoio e audácia das próprias autarquias, conseguiríamos reverter em parte a situação.
Não seria também uma forma de investimento público? Ou só interessam as grandes obras?