segunda-feira, 7 de setembro de 2009

"Brinca-se demasiado à educação"

O que dizem os pais, no jornal i.

10 comentários:

Anónimo disse...

Votei PS em 2005...
Nas Europeias'2009: MEP...
Nas legislativas'2009: não sei, mas pelo caminho errado que o MEP já está a levar, não vou repetir o voto...

E, pelo que li noutro post, este Sr. Cabeça de Lista pela Madeira devia ter vergonha de roubar assim votos ao próprio partido

Ricardo Fernandes disse...

Caro amigo anónimo,

Cada cidadão é livre de depositar em consciência o seu voto de confiança na força partidária que entender.

Em democracia ninguém anda a roubar ou oferecer votos pois cada eleitor tem o seu livre-arbítrio para votar na força partidária com o qual mais se identifica.

O MEP apresenta-se a estas eleições legislativas de 2009 com o seu próprio programa eleitoral que contempla 160 medidas nos mais diversos domínios da soceidade, procurando vir a ser uma Voz Construtiva e de Esperança no Parlamento para Reforçar a Democracia e Contribuir para o Desenvolvimento do País.

Ricardo Fernandes

Anónimo disse...

Caro Anónimo inicial,

Pode-me explicar o porquê deste post o ter revoltado tanto?
Não poderá porventura o MEP questionar a qualidade das políticas actuais?
O MEP pode (e deve, e ten-lo feito) fazer críticas pela constructiva), mas isso não impede o partido (ou este blog) de apontar o que é melhorável, como o estatudo do aluno.

Isso só por sí torna o MEP num partido que critica tudo e todos e se comporta "como os outros partidos"? Não me parece.

Tem todo o direito de votar ou não no MEP, mas parece-me que a sua intenção neste momento é causar o maior alarido possível neste blog, independentemente do tema abordado em cada post...

Anónimo disse...

Não foi este post que me revoltou...
Foi uma continuação de posts de critica, sem apresentar soluções...

E se em vez de falarem com pais, falassem com alunos era muito melhor ;)
Eu sei do que estou a falar (estou no meio), e sei que os pais nao sabem de metade do que acontece nas escolas, e sei dos professores que tentavam fazer os alunos fazer greves para contestar um Estatuto de Aluno que nenhum aluno conhecia, e os que conheciam concordavam...

Anónimo disse...

Que os alunos muitas vezes façam greve sem saber muito bem porquê, não o nego(também já fui aluno).

Mas concorda com o novo estatuto do aluno? Eu pessoalmente não o conheço exaustivamente, mas sei por exemplo que os alunos no ensino básico já não chumbam por faltas, o que é no mínimo algo bizarro.

Hoje em dia é quase impossível para um professor chumbar um aluno (sei do que falo porque os meus pais são professores), siuação que, se não totalmente criada por este governo, foi pelo menos muito agravada.
Acha que isto é positivo? Para quem? Para os alunos? Não me parece.
Para as estatísticas, para que depois o governo possa dizer que reduziu o insucesso escolar? Sim, é exactamente isso!
Quem fica a ganhar? Ninguém!

Anónimo disse...

Impossivel chumbar alunos?!
Eu sou professor, no ano lectivo passado dei 12º ano, e chumbei os alunos que mereciam ser chumbados...

Anónimo disse...

No ensino básico (até ao 9º).

Aka disse...

Não compreendi ainda muito bem a atitude do anónimo inicial... Parece-me que se se denuncia uma atitude se está a fazer um compromisso em não incorrer no mesmo tipo de erro, certo? E não podemos aproveitar essas questõezinhas triviais para nos desviarmos do essencial... o que é muito português, esse género de perdas de tempo. Estamos a equacionar um partido que tem objectivos e propostas para o nosso País. Concentremo-nos nisso e deixemos a roupa suja e a intriga para outros contextos.

Aka disse...

Em relação ao assunto em questão neste post, que é o que interessa realmente, gostava de aproveitar para colocar algumas questões que me parecem pertinentes, sobretudo porque o presente governo, além da tradicional atitude de desresponsabilização, tem procurado combater os números alarmantes portugueses com medidas absurdas e perigosamente inconsequentes que apenas montam uma fachada estatística para causar boa impressão aos amigos lá da UE. Gostava de saber, se possível, quais as propostas do MEP para um ensino de qualidade e ÚTIL e para combater, por um lado, a descredibilização da figura do professor e o excesso de burocracia que o distrai das funções matriciais e, por outro, o flagelo do abandono escolar que, em Portugal, ronda os 40%, o que corresponde à segunda pior cota da UE. Gostava ainda de saber, como o MEP pretende estruturar a rede de escolas em Portugal. Talvez um post sobre o assunto? Muito obrigado.

Ricardo Fernandes disse...

Cara AKA,

Poderá ir ao Capitulo 3 - "Plataformas para uma década" do Programa Eleitoral do MEP que consta no site do MEP e proceder à leitura do Anexo I referente à proposta de uma "Aliança para uma Escola Melhor".

Ricardo Fernandes